Todas e Todos às ruas nesta quarta-feira, dia 15

Manifesto Contra a DireitaCom o mote Contra a direita, por mais direitos – os movimentos sociais estão organizando para amanhã um grande ato, com concentração a partir das 17 horas, no Largo da Batata (Metrô Faria Lima). O ato levanta as principais questões da conjuntura, os ataques sofrido pelos trabalhadores como o PL 4330 das terceirizações, mas também as medidas de ajuste fiscal do governo Dilma que colocam a conta sobre os mais pobres, como as MPs 664 e 665 que retiram direitos sociais.

O aumento no custo de vida e as medidas do governo que levam a economia para um quadro recessivo com mais desemprego também são questões que estão na pauta, assim como a corrupção que envolve tanto o governo federal como o estadual no caso do trensalão tucano.

O aumento nas tarifas de energia elétrica, de transporte, nos combustíveis e agora na conta de água mostra o descaso com os direitos da população, a instatifação popular é cada vez maior, ainda mais em São Paulo que combina falta d´água com aumento de tarifas. É hora de sair às ruas com uma plataforma de mudanças.

O PSOL convida todos seus filiados e simpatizantes a se somarem neste ato. Todas e todos às ruas, nem o governismo, nem a direita: é hora das reivindicações populares ganharem às ruas, por mudanças pra valer no nosso país.

Concentração – 17 horas – Lgo da Batata (Metrô Faria Lima).

Leia abaixo o manifesto de convocação do Ato.

MANIFESTO CONTRA A DIREITA, POR MAIS DIREITOS!

TODOS ÀS RUAS EM 15 DE ABRIL!

Vivemos um momento de descontentamento social e grande polarização política no país.

De um lado uma contra-ofensiva conservadora, com manifestações que tentam canalizar essa insatisfação para uma agenda de retrocesso. Elas tiveram eco no Congresso Nacional – que tornou-se um reduto do atraso político, sob o comando de Cunha e Renan Calheiros – e pautou propostas como: a redução da maioridade penal, a PL 4330 da terceirização, a lei antiterrorismo, a autonomia do BC e a PEC da Corrupção, que legaliza as doações empresariais para as eleições. A direita tenta impor a sua agenda política semeando a intolerância e o ódio, propondo políticas que incentivam o racismo, o machismo e a LGBTfobia.

De outro lado, o governo federal faz a opção de jogar o custo da crise mundial no colo dos trabalhadores. O ajuste fiscal e as medidas propostas pelo ministro Joaquim Levy reduzem direitos dos trabalhadores, dificultam o acesso a políticas e direitos sociais, corta investimentos para educação e moradia. Associado ao aumento de tarifas, que vem sendo seguido por vários governos estaduais, só agrava a situação do mais pobres. Sem falar na crise da água em São Paulo que é de responsabilidade do governo tucano no estado.

A política de ajuste fiscal do Governo Federal é indefensável e dá espaço para que as bandeiras levantadas pela direita ganhem apoio.

Entendemos que a saída da crise é pela esquerda. O ajuste deve sim ser feito, mas taxando aqueles que sempre lucraram com as crises. É preciso taxar as grandes fortunas, os lucros e os ganhos com a especulação financeira e na bolsa de valores, limitar a remessa de lucros para o exterior, reduzir drasticamente os juros básicos da economia e uma auditoria da dívida pública. O caminho para mudanças populares no país um Programa de Reformas Estruturais como a tributária, que implante a progressividade nos impostos, a urbana para atender a enorme demanda habitacional do país, a agrária que garanta trabalho e soberania e segurança alimentar para a população e a democratização dos meios de comunicação.

O enfrentamento da corrupção deve ser feito com a defesa clara de uma Reforma Política Democrática, com o fim do financiamento empresarial das eleições e o aprofundamento da participação popular. Neste sentido é preciso fortalecer iniciativas como o projeto da Coalização Pela Reforma Política Democrática, a Campanha por uma constituinte do sistema político e o Devolve Gilmar, que exige a retomada imediata do julgamento da ADI 4650, obstruída escandalosamente a um ano pelo Ministro Gilmar Mendes.

Por tudo isso estaremos nas ruas no próximo dia 15 de abril. É fundamental construir uma agenda política alternativa que combata as propostas da direita e que ao mesmo tempo defenda os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras contra os ajustes antipopulares propostos pelos governos estaduais e federal. Essa agenda comum deve ser a base para a unificação de todos os setores populares e da esquerda em torno de um calendário de mobilizações em defesa e ampliação dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, do povo pobre e de todos os setores oprimidos da sociedade. Deve também apoiar todas as iniciativas de luta e resistência, como a greve dos professores de São Paulo. Contra a direita, por mais direitos.

A pauta do nosso Ato está focada em 3 eixos:

1 – Em defesa dos direitos sociais: Não ao PL 4330 da terceirização e ao ajuste antipopular dos Governos. Pela taxação das grandes fortunas, dos lucros e da especulação financeira!

2 – Combate a corrupção, com o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais!

3 – Não às pautas conservadoras, à redução da maioridade penal e ao golpismo! Contra o genocídio da juventude negra!

A saída para a crise são as Reformas Populares!

Dia 15 de Abril, às 17 horas, no Largo da Batata, em São Paulo.

Ocorrerão mobilizações também no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza e Curitiba, dentre outras capitais.

Reserve sua agenda, convide mais pessoas e venha para a rua construir uma alternativa popular para o Brasil.

Convocam:

Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST)

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)

Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Intersindical – Central da classe trabalhadora

Fora do Eixo / Mídia Ninja

Articulação Igreja e Movimentos Sociais

Igreja Povo de Deus em Movimento (IPDM)

Uneafro

Coletivo Juntos

Rua – Juventude anticapitalista

Coletivo Construção

Movimento de Luta nos bairros e favelas (MLB)

Círculo Palmarino

Juventude Socialismo e Liberdade (JSOL)

Movimento de Luta por Moradia (MLM)

Partido Comunista Revolucionário (PCR)

Pólo Comunista Luis Carlos Prestes

Movimento Periferia Ativa

Movimento de Mulheres Olga Benário

Rede Emancipa

Deixe um comentário:


*