Quarta-feira vermelha: 25 mil sem-tetos marcham até Itaquerão

estadão2Termina o 4º Ato “Copa Sem Povo, Tô Na Rua De Novo”, campanha impulsionada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e pela Resistência Urbana e também apoiada por vários outros movimentos populares e organizações comprometidas com a luta do povo.

Foram mais de 25 mil pessoas que marcharam por cerca de 3 horas pela Radial Leste (Zona Leste de São Paulo), do metrô Vila Matilde até a Arena Corinthians (Itaquerão), para exigir os nosso direitos relegados. Enquanto os governos gastam bilhões com a copa do mundo onde quem se beneficia são apenas as grandes construtoras, os bancos, empresários e a Fifa. Esse é o legado da copa.

A marcha que teve a participação de dezenas de ocupações e comunidades organizadas pelo MTST, foi pacífica, organizada e contou com o apoio da população durante o percurso. Provando mais uma vez que os incidentes e conflitos não partem do povo.

Quem esteve no ato pode perceber o ânimo e a determinação de cada indivíduo em nossa marcha e a certeza de que estamos lutando por uma causa justa.

A nossa pauta é clara e de nossa parte o recado está dado, estamos a oito dias do início da copa do mundo e exigimos que os governos aceitem nossas reivindicações, do contrário, as ruas nos esperam de braços abertos nos próximos dias e semanas.

São Paulo, 04 de junho de 2014
Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

As pautas específicas do MTST, ligadas a Moradia e Reforma Urbana, são as seguintes:

1. Por uma política federal de prevenção de despejos forçados, com a formação de uma Comissão de Acompanhamento, ligada a Secretaria Especial de Direitos Humanos.

2. Mudanças no Programa Minha Casa Minha Vida, fortalecendo a modalidade Entidades e com regras que estimulem melhor localização e maior qualidade das obras.
3. Por um controle público do reajuste de aluguéis urbanos estabelecendo o índice inflacionário como teto dos reajustes. Esta medida é essencial para combater a especulação imobiliária que afeta os trabalhadores mais pobres.

 

 

 

 

Do site do MTST

Deixe um comentário:


*