Corrupção no Metrô: todos às ruas contra Alckmin

serra_alckminAs recentes denúncias de formação de cartel nos contratos para as obras do metrô e trens do governo do Estado de São Paulo revelam a forma criminosa como o tucanato atua à frente do governo paulista.

Segundo a denúncia, as empresas foram contratadas para fornecer equipamentos com preços até 20% mais caros. O esquema seria antigo, envolvendo os governos tucanos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra.

O cartel atuou em várias licitações. Em São Paulo estão sendo investigados a extensão da Linha 2-Verde do Metrô, a construção da fase 1 da Linha 5-Lilás, o Projeto Boa Viagem, de modernização de trens da CPTM, a contratação da série 3000 (CPTM) e a manutenção das séries 2000 e 2100 (CPTM). Também estão sendo investigadas as obras de manutenção do metrô de Brasília, realizadas em 2007.

Diante das graves denúncias, a resposta de Alckmin é dizer que não sabia de nada e tentar se esquivar, mas é impossível que um esquema tão grande de corrupção, que segundo as denúncias chegou a desviar 400 milhões de reais, tenha se efetivado sem o envolvimento direto de graduados agentes da administração pública.

O PSOL e seus mandatos sempre denunciaram as relações nebulosas entre os governos do PSDB e as empresas que prestam serviços ao Estado de São Paulo, nas mais variáveis áreas de atuação. No caso do Metrô, quando as denúncias envolvendo a Alston vieram a público em 2008, o mandato do deputado federal Ivan Valente exigiu publicamente que todas as denúncias fossem apuradas. Da mesma forma, a bancada estadual do PSOL na época composta por Carlos Giannazi e Raul Marcelo esteve na linha de frente na luta pela criação de uma CPI sobre o caso na Assembleia Legislativa que foi engavetado pela base governista. Agora, o PSOL e suas bancadas estão atuando firmemente pela apuração das denúncias e punição dos culpados.

O propinoduto tucano deixa claro que os recursos públicos que deveriam ir para saúde, educação e mais transporte de qualidade, são desviados para atender aos interesses particulares e financiar suas campanhas eleitorais. Para isso, contam tanto com a maioria governista que impede qualquer tipo de investigação séria na Assembleia Legislativa quanto com o apoio da maior parte da chamada grande mídia que é leniente com o PSDB. Diante disso, só as mobilizações populares podem descortinar esse esquema de corrupção e exigir punição pra valer aos envolvidos.

Não bastasse o esquema pesado de corrupção, as privatizações e terceirizações dos serviços pioraram ainda mais as condições do transporte público em São Paulo. A população vive o sufoco diário de transportes superlotados, de má qualidade, caros e agora comprovadamente superfaturados.

Cresce nas ruas o sentimento de indignação contra esse governo, que extermina a juventude negra nas periferias, reprime os movimentos sociais, como no caso do Pinheirinho, compromete os direitos básicos da população através do sucateamento e privatização dos serviços públicos e impede a apuração de denúncias de corrupção, contando com a subserviência dos Poderes Legislativo e Judiciário. O sentimento das ruas exige mudança pra valer, por isso o PSOLl reconhecesse a legitimidade e engrossa as fileiras dos movimentos que gritam pelo Fora Alckmin.

É hora de ir às ruas contra Alckmin, exigir a mais completa investigação sobre o caso, a prisão dos corruptos e corruptores, o ressarcimento dos cofres públicos e a suspensão dos contratos de terceirização e privatização dos serviços.

O PSOL apoia e convida todos os seus militantes a participarem ativamente do ato marcado pelos movimentos sociais e pelo Sindicato dos Metroviários para o próximo dia 14 de agosto.

A militância do PSOL junto com o povo de São Paulo não dará trégua a este governo.


Paulo Bufalo – presidente estadual do PSOL SP

 

1 comentário

  • Companheiros
    O povo está cansado da corrupção e do pouco caso que,é tratado pelo governo.
    Vamos protestar para que,as autoridades competentes venham tomar alguma providência em relação ao transporte de péssima qualidade q1ue temos que suportar todos os dias.

Deixe um comentário:


*